SOBRE A ABMHV

O oxigênio hiperbárico nasceu em 1662, quando um médico britânico, Nathaniel Henshaw, criou uma câmara hermética onde foles e válvulas de oxigênio eram usados ​​para comprimir e descomprimir.

 

Na década de 1930, o médico brasileiro Álvaro Osório de Almeida reconheceu os benefícios da OHB (Terapia de Oxigênio Hiperbárico) e publicou diversos artigos sobre os efeitos de altas doses de oxigênio em tumores animais e humanos. Em 1937, Albert Behnke e Louis Shaw publicaram uma pesquisa da Marinha dos Estados Unidos para tratar a doença descompressiva usando OHB.

 

Ao longo da história da hiperbárica, os animais foram rotineiramente tratados em câmaras para fins de pesquisa. Conforme a modalidade evoluiu e se tornou mais amplamente aceita, os animais foram usados ​​para estudar os efeitos do ambiente hiperbárico em vários sistemas do corpo como um prelúdio para o diagnóstico de certas condições humanas.

 

Efetivamente, a oxigenoterapia hiperbárica tem sido um tratamento viável por décadas. No final da década de 1990 até o início de 2000, surgiu o interesse de pioneiros na comunidade veterinária em utilizar OHB como um complemento aos tratamentos médicos e cirúrgicos tradicionais. Desde então, as câmaras hiperbáricas foram colocadas em uma infinidade de clínicas veterinárias, reabilitação, especialidades e instituições educacionais em todo o mundo.

 

Embora o uso da oxigenoterapia hiperbárica no campo veterinário ainda esteja em sua infância, dezenas de milhares de tratamentos foram conduzidos com resultados muito bem-sucedidos. A missão do ABMHV é fornecer informações atualizadas, educação contínua, pesquisa e desenvolvimento em OHB, para profissionais veterinários e para a indústria veterinária em geral.